Viagem ao centro da Terra

a_journey_to_the_center_of_the_earth_cover_tulio_vilela

Diferentemente de outras obras de Julio Verne, Viagem ao Centro da Terra (Voyage au centre de la Terre) não se caracteriza pela plausibilidade, sendo a mais fantasiosa das obras do escritor francês. Enquanto A volta ao mundo em oitenta dias, Vinte mil léguas submarinas e Da Terra à Lua se caracterizam por terem mostrado avanços tecnológicos que se tornaram possíveis décadas depois ou de, pelo menos, estarem de acordo com o que era aceito como plausível pela comunidade científica do tempo em que essas obras foram publicadas (por exemplo, os cientistas da época acreditavam mesmo que um canhão seria a forma mais adequada para propulsionar um foguete para viajar para fora da Terra), viajar até o centro do planeta ainda é uma façanha impossível de se realizada. Outro detalhe é que o romance de Verne está mais de acordo com a teoria da “Terra Oca”, já descartada pela ciência, do que com aquilo que até o momento sabemos, ou seja, que o planeta possui um núcleo cujo calor é insuportável.

Apesar dos seus aspectos inverossímeis, Viagem ao centro da Terra, publicado originalmente em 1864, cumpriu o seu papel de divulgação científica. Popularizou as descobertas paleontológicas de criaturas como os grandes répteis da Era Mesozoica e os mamutes da Era Glacial. No livro, Verne se refere aos espécimes remanescentes de outras eras geológicas como “criaturas antediluvianas”, ou seja, anteriores ao Grande Dilúvio Universal, tal como descrito em Gênesis.Certamente, o romance de Verne e adaptações posteriores para o cinema e os quadrinhos alimentaram as fantasias de muitos jovens leitores, alguns dos quais, talvez, tenham seguido uma carreira científica em Geologia, Vulcanologia,Biologia ou Paleontologia. Tanto Verne quanto seu editor, Pierre Jules-Hetzel (1814-1886), defendiam a popularização do conhecimento científico, bem como a criação de escolas públicas  que oferecessem um ensino  laico, científico e gratuito.

O desenho que estou postando hoje é uma releitura de uma das cenas mais emblemáticas do livro, a luta entre dois grandes répteis marinhos pré-históricos, um plesiossauro e um ictiossauro. A referência principal foi uma das ilustrações do francês Édouard Riou (1833-1900) para a primeira edição de Viagem ao Centro da Terra. Utilizei os softwares ArtRage (para os esboços), MediBang (para finalizar o desenho) e Gimp (na colorização).

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s